TERÇA-FEIRA, 29 DE SETEMBRO DE 2020

Saiba O Porque Que Os Músculos Geram Cansaço

Publicidade

Grande parte das pessoas quando estão realizando exercícios físicos, começam a perceber que os músculos vão ficando mias incapazes de se contrair ao passar do tempo. Dessa maneira muitas vezes achamos que é culpa da falta de energia, ou ácido lático. Contudo existem diversos fatores que podem contribuir para esse tipo de fadiga sobre os músculos. Isso porque na verdade tudo está associado a capacidade que o músculo possui de responder aos sinais que são emitidos pelo celebro. Neste artigo preparamos diversas informações para que saiba o porquê que os músculos geram cansaço.

Processo de contração dos músculos

Como já mencionamos acima, os músculos se contraem com os sinais que são emitidos pelo cérebro. Sendo assim, todo esse processo pode acontecer em rápidos segundos com a ajuda de células longas e finas que são denominados neurônios motores do corpo humano. Os neurônios motores e a célula dos músculos são separados por uma minúscula lacuna. Dessa maneira a troca de partículas que acontecem permitindo que haja a contração. Ou seja, de um lado uma lacuna, os neurônios motores que possuem aos neurotransmissores que são denominados como acetilcolina. Mas do outro lado existem as partículas que são carregadas ou íons que são capazes de margear a membrana das células musculares.


Publicidade

De modo geral, no interior acaba se concentrando o potássio e por fora de concentra o sódio. Sendo assim o cérebro envia um sinal e os neurônios de motores liberam a acetilcolina, que fazem com que os poros se abrem na membrana das células musculares. Então, o sódio começa a fluir por dentro e o potássio começar a fluir para fora. Esse fluxo de partículas carregadas é uma peça fundamental para que possa acontecer a contração dos músculos.

Desse modo a mudanças nas cargas acaba criando um sinal elétrico com grande potencial nas ações que desencadeia um espalhamento das células musculares. Consequentemente se inicia a estimulação da liberação de cálcio que estão armazenadas dentro da mesma. Mas por sua vez, a liberação de cálcio faz com que os músculos possam se contrair, permitindo que todas as proteínas enterradas entre as fibras dos músculos fiquem travadas. Então acabam se mexendo cada uma em uma direção, fazendo com que os músculos fiquem apertados.

Trifosfato de Adenosina

Entretanto a energia que é usada como alimenta para a contração vem da molécula ATP (Trifosfato de Adenosina), que é uma espécie de nucleotídeo. Todavia o mesmo tem a responsabilidade de armazenar energia nas ligações químicas. Então essa molécula também ajuda muito na bombeação de íons no percurso de volta para a membrana. Desse modo ela pode redefinir todo o equilíbrio entre sódio e potássio que estão em ambos os lados, ou seja, o neurônio motor e nas células musculares. Por fim todo esse processo acontece de forma repetida em todas as vezes que o músculo recebe contrações.

Fadiga nos músculos

Portanto, cada uma das contrações, com a energia em forma de ATP, acaba se esgotando. Desse modo acaba gerando produtos residuais como o ácido láctico, além de alguns íons que acabam se afastando da membrana celular do músculo. Sendo assim cada grupo fica cada vez menor, regredindo para trás. Então mesmo que todas as células musculares se esgotem a ATP, se contraem rapidamente, e aumentam sua produção gradativamente.

Mas na grande parte das vezes, os mesmos músculos ficam muito fadigados, por não conseguirem esgotar a fonte de energia necessária. Pois mesmo, que muitos dos resíduos sejam apenas ácidos, os músculos que estão fadigados costumam manter o mesmo pH por dentro dos limites normais. Então essa ação indica que todo tecido está limpando de forma efetiva esses resíduos.

Contudo ao longo de cada uma das contrações de forma repetida, pode acabar não gerando concentrações suficientes de íons de sódio, potássio ou cálcio. Portanto sem essas funções disponíveis no organismo de forma imediata próximas a membrana celular dos músculos. Pode acabar redefinindo o sistema. Ou seja, ainda que o cérebro envie um sinal, as células musculares não conseguem gerar um potencial com uma atitude adequada para contrair os músculos.

Mas se os íons de cálcio, potássio e sódio são muito abundantes em algumas partes de corpo, que ainda não foram exercitadas nas atividades físicas. Contudo, é necessário que exista um período de pausa para descanso para que a fadiga dos músculos seja diminuída. Dessa forma na medida que os íons forem voltando aos músculos a sensação de bem-estar sobre a musculatura será evidente.

Considerações finais

Então quanto mais exercitamos nosso corpo de forma regular. Mais tempo vamos levar para conseguir gerar a fadiga muscular de cada vez. Afinal quanto mais forte nosso corpo fica, menos vezes todo o ciclo de sinal nervoso que o cérebro para conseguir fazer contração dos músculos. Sendo assim, isso terá que se repetir para que seja levantada uma quantidade especifica de peso. Então os ciclos menores significam uma redução dos íons de forma mais lenta. Dessa maneira é possível exercitar-se por muito mais tempo com a mesma intensidade nos exercícios. Fazendo com que tenha uma melhora sobre a aptidão física.

Publicidade

Em conclusão, muitos dos músculos crescem com a pratica dos exercícios físicos. E os músculos que são maiores podem ter uma quantidade maior de ATP. Ou seja, a maior capacidade de ação de limpeza dos resíduos, fazendo com que a sensação de fadiga diminua. Dessa forma quando for feito exercícios novamente com uma carga de peso diferente, ainda depois de um tempo de atividade. Então após um período de tempo parado sem exercícios esse processo de fadiga pode voltar a te incomodar.

Veja também:

Saiba Como Envelhecer Possuindo Qualidade de Vida

Publicado em: 18 de dezembro de 2019

Relacionados

Deixe seu comentário

© Copyright UalBr 2020. Todos os direitos reservados.

Este Blog Utiliza o cookies para garantir que você tenha uma otima experiência. OK | Mais informações